quarta-feira, 28 de junho de 2017

Divulgar para preservar com Andreas Lang


A ilha do Corvo atrai pessoas de todo o mundo pela sua singularidade. O facto de ser uma ilha tão pequena situada no meio do Oceano Atlântico desperta muita curiosidade, e é por isso que pessoas como Andreas Lang, realizador e editor independente de documentários originário da Alemanha (www.anderslang.de) visitou a mais pequena ilha do arquipélago, com o intuito de fazer um pequeno documentário sobre o quotidiano desta singular ilha.

Andreas Lang
Foto: T.Pipa

Uma vez que a SPEA está em permanência na ilha há 8 anos tivemos o prazer de acompanhar o Sr. Lang e mostrar-lhe as diversas áreas de intervenção do Pós-Projeto LIFE "Ilhas Santuário para as aves marinhas", Reserva Biológica do Corvo, a primeira vedação antipredadores da Europa, o estufim, único local onde se faz a produção de espécies nativas que são plantadas nas áreas de intervenção, assim como, na Vila do Corvo aumentando os espaços verdes e ainda visitar o casal de cagarros Calonectris borealis mais famoso do mundo e cujo dia-a-dia pode ser seguido em direto através do seguinte site:  http://cagarro.spea.pt/.

Andreas Lang acompanhando-nos e ao Parque Natural de ilha no Censo de Garajaus
Foto: Patrícia Guimil

Andreas Lang no estufim do projeto
Foto: T.Pipa

Visita à Lua-de-mel no Corvo
Foto: T.Pipa

Para terminar a estadia o Sr. Lang acompanhou-nos ainda na Limpeza Atlântica realizada o dia 11 de Junho em comemoração do nascimento do Rei dos mares Jacques-Yves Cousteau.

Conscientes do poder da divulgação e difusão da informação, foi um prazer acompanhar e dar a conhecer os trabalhos de conservação de aves marinhas desenvolvidos pela SPEA na ilha do Corvo.


Unindo esforços para preservar a mais pequena ave marinha dos Açores


De 16 a 23 de junho uma equipa da SPEA deslocou-se à ilha branca (Graciosa) para iniciar os trabalhos de campo dos dois novos projetos (LuMinAves e MISTIC SEAS II) para a conservação/monitorização das aves marinhas nos Açores.
Para começar e seguindo o que tem vindo a ser feito no âmbito do projeto LIFE EuroSAP e sempre com o apoio do Parque Natural de ilha a quem desde já agradecemos montamos acampamento no ilhéu de Baixo, a segunda maior colónia da mais pequena ave marinha dos Açores, o painho-de-monteiro Hydrobates monteiroi para substituir um gravador automático (ARU, unidade de gravação automática) que nos ajuda a estimar a população presente no ilhéu, uma vez que o número de vocalizações está relacionado com o número de ninhos e desta forma sabemos quantos casais de painho aí se encontram e montar redes verticais para relacionar com o ARU através da marcação-recaptura.


Painho-de-monteiro
Foto: Ruben Coelho
Ao continuar os trabalhos no âmbito dos dois novos projetos e unindo sinergias permitir-nos-à obter tendências e o estado da população o que é essencial para poder implementar medidas de gestão e conservação da espécie.



Unidade de Gravação automática
Foto: T.Pipa
Foram 4, as noites de montagem das redes e no total foram capturados 145 painhos e recapturados 24. Todos os espécimes foram anilhados e as suas biometrias registadas (peso, asa, tarso, bico, cabeça e pelada).


Anilhagem registo de biometrias
Foto: Rúben Coelho
Para animar ainda mais as noites ouvimos ainda por 33 vezes o estapagado Puffinus puffinus (nos Açores nidifica apenas no Grupo Ocidental com cerca de 115 a 235 casais Monteiro et al.1999), aqui ouvido pela primeira vez, o que pode indiciar uma possível nidificação no ilhéu e que se possível será confirmada no futuro.

Estapagado
Foto: T.Pipa
Para terminar o trabalho de campo nada como fazer uma paragem na maior colónia de painho-de-monteiro, o ilhéu da Praia, para substituir o ARU aí presente e recolher a informação necessária.

Nos dias 22 e 23 decorreu mais uma reunião da Taskforce monteiroi com todas as entidades competentes e partes interessadas (DOP, Joel Bried, Renata Medeiros, DRAM, Turismo dos Açores, CMSCG, PNG e Nautigraciosa) para revisão da primeira versão do Plano de Ação e planeamento futuro, incluindo a apresentação dos novos projetos LuMinAves e Mistic Seas II, na Biblioteca Municipal, espaço que nos foi cedido pela CMSCG.


Taskforce Monteiroi
Foto: Rúben Coelho
E como não se protege o que não se conhece realizamos ainda uma sessão pública com a participação de alunos do ATL de Santa Cruz da Graciosa (cerca de 50 participantes) no sentido de dar a conhecer a espécie e sensibilizar a população local para a importância da sua preservação através do jogo "Quem quer ser Monteiroi?"

Sessão pública
Foto: Nuno Oliveira
É tudo por agora! Continuaremos a desenvolver esforços para a conservação das aves marinhas. Deixamos um agradecimento a todos os que contribuíram e contribuem para preservar estas espécies tão emblemáticas nas ilhas de Bruma.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

SPEA levou o Priolo e a Laurissilva às Feteiras

A SPEA, através do Life+ Terras do Priolo, esteve no passado dia 20 de junho na freguesia das Feteiras, concelho de Ponta Delgada,  com mais de 40 pequenos entusiastas da Natureza.

A manhã foi dedicada a jogos relacionados com o priolo, a vegetação autóctone e a importância da floresta Laurissilva. À tarde procedeu-se à plantação de uma centena de plantas endémicas no espaço exterior da escola, sempre com a mais calorosa participação dos alunos.




 Ficou já marcada uma visita para o próximo ano letivo para aferir do sucesso da plantação e rever a matéria dada.





A SPEA agradece o interesse e apoio dado pelos professores e alunos.

Recapturado melro com mais de 10 anos de idade

O Projeto de Estações de Esforço Constante (PEEC), um projeto de monitorização organizado em conjunto entre o Instituto da Conservação da Natureza e da Floresta (ICNF) e a Associação Portuguesa de Anilhadores de Aves (APAA), que tem por objetivo estimar parâmetros fundamentais para avaliar as tendências populacionais de aves nidificantes (abundância de adultos, produtividade e sobrevivência), através de um esforço constante de captura e anilhagem de aves com redes verticais durante a nidificação.

 

A SPEA Açores iniciou este ano, com o apoio do Serviço Florestal do Nordeste, uma estação de esforço constante no Parque Florestal da Cancela do Cinzeiro, a primeira estação do PEEC nos arquipélagos portugueses. 

Na sessão inaugural de anilhagem, foi uma enorme surpresa encontrar nas redes uma fêmea de melro (Turdus merula) portadora da anilha F20881. Esta recaptura foi comunicada ao ICNF que logo providenciou informação da anilhagem. Esta ave tinha sido anilhada no mesmo local como juvenil do ano em 11-11-2006!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

LIMPEZA ATLÂNTICA II no Corvo


No passado dia 11 de junho tivemos a oportunidade de nos associar mais uma vez a uma iniciativa da No more plastics for the Azores para mais uma Limpeza Atlântica nos Açores. Esta que foi a maior Limpeza Atlântica do Atlântico Norte em comemoração do nascimento do rei dos mares Jaques-Yves Cousteau, e decorreu ainda em Portugal continental (Caldas da Rainha e Lisboa), nas Ilhas britânicas (Tregonhawke Beach, Cornwall) ), em França (Gravelines) e Estados Unidos da América (New Hampshire, Pemaquid Habor e Maui).

A Limpeza Atlântica teve como principal objetivo a recolha de lixo que enche as nossas costas, em particular o plástico, o material mais abundante e dos mais problemáticos, uma vez que fragmenta-se em pedaços pequenos (microplásticos) estando presente em toda a cadeia trófica, e inclusive até no zooplâncton.

Foto: Bárbara Ambros

No Corvo foram 15 os voluntários e parceiros Agrupamento de Escuteiros 1181, Parque Natural e Câmara Municipal do Corvo e inclusive 2 elementos da GNR que ajudaram a recolher 120 kg de lixo na Praia, assim como, recolheram microplástico através da crivagem da areia com peneireiras.



Fotos: Bárbara Ambros


Só com a ajuda de todos podemos mitigar esta catástrofe ambiental, por isso, lembra-te Reduz o uso de plástico, Reutiliza-o e Recicla-o! Lembra-te que o Homem está no topo da cadeia alimentar e indiretamente também ingere estes microplásticos o que é prejudicial para a nossa saúde. Além de que estamos a provocar danos irreversíveis à biodiversidade marinha, a título de exemplo, estima-se que em 2050, 99% das aves marinhas vão ter consumido plástico (Wilcox et al. 2015)

sábado, 10 de junho de 2017

LIFE EuroSAP: ponto de partida para o futuro de uma espécie

De 26 a 31 de maio iniciou-se mais um ano de trabalhos de campo no âmbito do Projeto LIFE EuroSAP no que concerne à única ave marinha endémica dos Açores, o painho-de-monteiro Hydrobates monteiroi na ilha das Flores, onde em 2016 foi confirmada a nidificação da espécie nos ilhéus da Alagoa. O objetivo da deslocação à ilha das Flores foi reunir-mo-nos com o Parque Natural de ilha, de modo, a discutir o 1º rascunho do Plano de Ação referente à espécie e que estará em discussão nos dias 22 a 23 de junho na ilha Graciosa durante o Workshop, pela Taskforce Monteiroi.

Reunião com o Parque Natural das Flores
Foto: Nuno Oliveira

 Assim como, realizar nova prospeção junto à orla costeira do ilhéu Maria Vaz no qual foram ouvidas 19 vocalizações de painho-de-monteiro, sendo necessário no futuro e recorrendo  a unidades de gravação automática comprovar este possível novo local de nidificação.

Possível novo local de nidificação (ilhéu Maria Vaz)
Foto: T.Pipa

O LIFE EuroSAP foi o ponto de partida para dois novos projetos: Interreg MAC acrónimo LuMinAves (Contaminação luminosa e conservação dos arquipélagos da Macaronésia reduzindo os efeitos nocivos da luz artificial sobre as populações de aves marinhas) tendo sido iniciada a ação 2.1.1. Estudo e censo das populações de aves marinhas nas colónias e o projeto MISTIC SEAS II (Aplicar Medidas Coerentes e Coordenadas a um nível sub-regional para Monitorizar e Avaliar a Biodiversidade Marinha na Macaronésia no 2º ciclo da DQEM).

A estimativa populacional é realizada através da utilização de unidades de gravação automáticas (correlacionam o número de vocalizações com o número de ninhos/casais nidificantes) como já havia sido feito e permitindo no futuro obter tendências para ter valores base que possam ajudar na gestão e conservação desta importante espécie que é um símbolo das Reservas da Biosfera nos Açores.

Colocação de unidade de gravação automática no ilhéu da Alagoa (LuMinAves e MISTIC SEAS II)
Foto: Nuno Oliveira

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Presidente da República planta urzes no dia da Criança no Corvo


No dia 1 de junho e em virtude da visita da Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa o Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa à ilha do Corvo. Tivemos a honra a convite do Presidente da CMC Sr. José Silva de preparar e plantar com a ajuda do 1º ciclo da EBSMS e do Jardim de Infância "Planeta Azul" simbolicamente 10 urzes Erica azorica plantas endémicas dos Açores com sua excelência. 

 Foto: Patricia Güimil 

A quem desde já agradecemos a simpatia e que não teve problemas em sujar as mãos e ajudar as crianças a plantar. Um dia da Criança bem diferente para os alunos que participaram na recepção organizada pela EBSMS à qual agradecemos também a parceria.

Foto: Patricia Güimil 

Para terminar e como não poderia deixar de ser ficou a habitual selfie com o Presidente da equipa da SPEA no Corvo e também da população corvina.